Escala de Borg: aprenda a utilizá-la nos treinos

Escala de Borg: aprenda a utilizá-la nos treinos

A Escala de Borg (também chamada de tabela) foi criada pelo fisiologista sueco Gunnar Borg e classifica – de forma subjetiva – o esforço de um atleta a partir de sua própria percepção. Ela é disposta da seguinte forma:

0 – Repouso

1 a 3 – Muito leve

4 a 5 – Leve

6 a 7 – Moderado

8 a 9 – Intenso

10 – Exausto

Durante o exercício, o atleta deve perceber como está a frequência cardíaca, a respiração, a sudorese e a fadiga muscular. Assim, a avaliação fica mais criteriosa e pode ajudar ainda mais no planejamento para os próximos treinos.

Como utilizá-la nos treinos

A tabela serve como referência para os atletas, mas, principalmente para que os treinadores preparem a rotina das próximas corridas. Com uma avaliação periódica (seja diária, semanal ou mensal), é possível descobrir quando um corredor precisa de uma semana mais leve ou pesada de treinamentos. É outra referência – mesmo que subjetiva – para que o atleta evite se sobrecarregar e, como consequência, sofrer com algum tipo de lesão.

Esse controle é importante para que o profissional de educação física receite a dose correta de treinos. Outros fatores são levados em consideração – como proximidades de uma prova, quantidade de dias que o corredor pode treinar e os objetivos individuais –, mas os níveis da escala também são relevantes.

Fatores externos

O estresse de um dia de trabalho, as condições meteorológicas e outros problemas externos podem influenciar na auto avaliação. Uma corrida que, um dia, foi considerada nível 6 pode, em uma outra semana, com mais calor, se tornar nível 7, por exemplo.

Fonte: Kim Cordeiro, diretor técnico da assessoria esportiva BK Sports, de São Paulo (SP)

oldestnewest

You may also like...