Mulheres estão mais felizes com o peso hoje do que em 1980, diz estudo

Mulheres estão mais felizes com o peso hoje do que em 1980, diz estudo

A mudança pode ter relação com campanhas e movimentos que pregam a aceitação dos diferentes tipos físicos, acreditam os autores.

Quando o tema da conversa em um grupo de amigas é a forma física, espera-se que a maioria delas se mostre infeliz com o peso ou alguma outra característica. Bombardeadas constantemente com imagens que retratam uma beleza idealizada, sempre impossível de ser alcançada, as mulheres costumam ser muito mais críticas em relação à própria aparência do que os homens. No entanto, um estudo divulgado na 124ª Convenção da Associação Americana de Psicologia, realizada este mês em Denver (Colorado), sugere que as campanhas pela aceitação da diversidade corporal, que ganharam força nos últimos anos, podem ter gerado os primeiros frutos, ajudando a reduzir o grau de insatisfação feminina.

Após analisar mais de 250 estudos sobre o tema — a maioria realizada nos Estados Unidos entre 1981 e 2012, reunindo dados de 100.228 pessoas —, os responsáveis pelo trabalho concluíram que as mulheres hoje estão mais satisfeitas com seu peso do que duas ou três décadas atrás. Enquanto os levantamentos feitos nos anos 1990 mostravam um aumento de insatisfação, os realizados nesta década mostraram uma clara mudança de direção nos resultados.

Um dos autores da análise, Bryan Karazsia, professor de psicologia da Faculdade de Wooster (Ohio), diz ao Correio que o resultado é ainda mais surpreendente quando se leva em conta os altos índices de obesidade observados hoje nos Estados Unidos. “Com mais de dois terços dos adultos americanos com excesso de peso ou obesos, era de se esperar que a insatisfação corporal tivesse aumentado, mas nós encontramos o oposto”, afirma.

As mulheres, explica, continuam sofrendo mais pressão para ter um corpo dentro dos padrões de beleza, apresentando taxas de insatisfação bem mais altas que as observadas nos homens. No entanto, enquanto entre elas a reprovação da própria aparência caiu, entre eles, ela se manteve estável. Karazsia acredita que o fenômeno tem relação com as campanhas de conscientização iniciadas e ampliadas nos últimos anos.

“As duas últimas décadas têm testemunhado um crescente movimento de aceitação do corpo, destinado principalmente a jovens e mulheres”, observa o autor. “Sugiro que um dos motivos de a insatisfação corporal ter declinado ao longo do tempo é que as mulheres estão aceitando cada vez mais seus corpos como eles são. Eu acho que mudanças sociais estão contribuindo para alterar a forma como elas avaliam suas formas físicas, mas e muito difícil demonstrar isso cientificamente”, ressalta.

Para Vladimir Melo, psicólogo e doutorando em psicologia pela Universidade Católica de Brasília (UCB), a pesquisa americana mostra dados interessantes, mas considera prematuro apontar os fatores responsáveis pela mudança na percepção das mulheres. “É uma questão que está sem resposta”, avalia. “Hoje, de fato, temos um grande número de movimentos que questionam a supervalorização do corpo feminino. Existe uma luta contra essa supererotização que pode ter contribuído para esses resultados, mas fica difícil determinar isso apenas com esse estudo”, completa.

O brasileiro, que não participou do estudo, ressalta a importância do tema abordado, lembrando que a forma como a pessoa percebe o corpo pode favorecer problemas graves, como a anorexia e a bulimia. “É importante entendermos que a distorção de percepção do corpo é uma das características do transtorno alimentar, o que tem sido muito abordado por outros estudos. Ela pode estar ligada a problemas psiquiátricos, o que deve também ser levado em consideração”, diz.

Karazsia afirma que uma das intenções do estudo é justamente contribuir para o melhor entendimento dessa questão. Não se trata de celebrar a obesidade ou o excesso de peso, condições que favorecem diversos problemas de saúde, mas compreender como as mulheres tem lidado com a questão da insatisfação corporal, que, lembra o autor, pode também desempenhar um papel no desenvolvimento da depressão.

Homens

Para aprofundar esse conhecimento, o psicólogo da Faculdade de Wooster e colegas também fizeram uma revisão de estudos que buscaram medir a satisfação de homens com o próprio corpo. Como trabalhos anteriores mostraram que o gênero masculino costuma se mostrar mais infeliz com o volume muscular do que com o peso, a equipe buscou estudos que focavam essa questão.

Foram revisadas 81 pesquisas que reuniam dados de 23 mil participantes e cobriam um período de 14 anos. A análise mostrou que, de fato, os homens se cobram mais do que as mulheres quando se trata de musculosidade, mas, diferentemente do que foi observado nas pesquisas com o gênero feminino, os índices de insatisfação entre eles se manteve praticamente estável nos últimos anos, algo que também foi surpreendente para os especialistas. “Eu pensei que os homens poderiam demonstrar maior insatisfação corporal ao longo do tempo, porque estamos vendo uma maior exposição dos corpos masculinos do que antes, eu acho”, admite Karazsia.

Fonte: Portal Ciência e Saúde do CB , postado em 24/08/2016 por Vilhena Soares

oldestnewest