Os antioxidantes podem ajudar a reduzir o risco de Diabetes

Os antioxidantes podem ajudar a reduzir o risco de Diabetes

Fonte : Diabetes in Control , 02 de janeiro de 2016

Estudo mostra que alta concentração sérica de carotenóides pode impedir o desenvolvimento do Diabetes Tipo 2 .

O Diabetes é um problema de saúde global. Segundo a Organização Mundial de Saúde, o Diabetes é estimado afetar 25,8 milhões de americanos e 346 milhões de pessoas no mundo.

Os fatores de risco de desenvolver o Diabetes Tipo 2 incluem dieta, sedentarismo, índice de massa corporal, e genética. Comer frutas e legumes de forma rotineira pode ajudar as pessoas a manter saudável o peso corporal . Fora isso, um novo estudo publicado no BMJ Open Diabetes Research & Care relatou que japoneses com altas concentrações séricas de carotenóides apresentaram baixo risco de desenvolverem o Diabetes Tipo 2.

Este estudo realizado no Japão tentou avaliar a relação entre vitaminas antioxidantes como carotenóides e o desenvolvimento do Diabetes Tipo 2. Muitas frutas e verduras contêm altos teores de carotenóides , como cenoura, melão, batata-doce e couve. No estudo anterior, o stress oxidativo foi associado à causa do Diabetes Tipo 2, devido espécies de oxigénio reativo produzido por stress oxidativo fazendo que o desenvolvimento da resistência à insulina, a disfunção das células-beta, e tolerância a glucose reduzida.

Portanto, os pesquisadores sugeriram que consumir alimentos antioxidante deve ajudar as pessoas a lutar contra o desenvolvimento do Diabetes Tipo 2.

Este foi um estudo prospectivo de base populacional e um estudo de acompanhamento a partir do estudo Mikkab de coorte prospectivo.Foram incluídos 910 participantes idades de 30 a 79 anos no estudo de acompanhamento, entre 2003 a 2013. Depois de excluir os participantes com Diabetes ou com histórico de Diabetes, um total de 264 600 pacientes de ambos os sexos e foram incluídos nos resultados finais.

Os pesquisadores descobriram que a concentração de carotenóides no estudo de base incluída a luteína, licopeno, alfa-caroteno, beta-caroteno, beta-criptoxantina, e a zeaxantina.

Foram medidos e registrados em todos os participantes, o índice de massa corporal e a pressão arterial durante o estudo. Por outro lado, os participantes foram obrigados a preencher um questionário auto-administrado usado para coletar informações sobre sua doença crônica, medicamentos, estilo de vida e consumo alimentar.

Os resultados mostraram que um total de 55 participantes (22 mulheres e 33 do sexo masculino) desenvolveram Diabetes durante 7,8 anos de acompanhamento . Após o ajuste para idade, sexo e IMC, as pessoas com os mais altos conteúdos no soro de alfa-caroteno, beta-criptoxantina e carotenóides totais provitamina A mostraram significativamente menor incidência do Diabetes Tipo 2.

Outros carotenóides como beta-caroteno, luteina, licopeno, zeaxantina , mostraram a tendência para resistir o desenvolvimento do Diabetes, mas os resultados não foram estatisticamente significativos no estudo.

O estudo concluiu ainda que uma dieta com um elevado teor de alfa-caroteno e beta-criptoxantina protegia o desenvolvimento do Diabetes Tipo 2 nos japoneses de meia-idade e mais velhos. Eles também apontaram algumas limitações deste estudo. Por exemplo, os pesquisadores não identificaram o papel de outros antioxidantes como as vitaminas C e E no desenvolvimento do Diabetes nos participantes, e os números de participantes não foi grande. Portanto, mais estudos são necessários para tirar uma conclusão definitiva.

Embora a conclusão deste estudo incidiu sobre a população japonesa, conclusões semelhantes foram obtidas em estudos realizados nos Estados Unidos. Um estudo publicado no Nutrition Research em 2014 coletou dados do National Health and Nutrition Examination Survey entre 2003 a 2004, que mostravam que pessoas que comeram frutas e legumes que foram enriquecidas em carotenóides poderia reduzir a toxicidade dos poluentes orgânicos persistentes, como bifenilos policlorados. Bifenilos policlorados poderia ser encontrado em alimentos, solo e ar, e foi uma das causas do estresse oxidativo, o que levou ao Diabetes Tipo 2.

Em outro estudo publicado no Diabetes Care, as pessoas cujas dietas apresentaram os maiores níveis de vitamina E foram apresentaram 30% menos probabilidade de desenvolver Diabetes Tipo 2 do que aquelas que comiam menos quantidades do antioxidante. Além disso, os pesquisadores descobriram que as pessoas que comiam uma quantidade excessiva de carotenóides, um tipo de antioxidante encontrado em frutas e vegetais coloridos, também tiveram um menor risco de desenvolver o Diabetes Tipo 2.

Mas o estudo mostrou que um dos antioxidantes mais populares, vitamina C, parecia não oferecer nenhuma proteção contra a doença. No estudo, os pesquisadores analisaram o teor de antioxidantes das dietas de mais de 4.000 homens e mulheres entre as idades de 40 e 69 que estavam livres do Diabetes no início do estudo. Especificamente, eles rastrearam a quantidade de vitamina E, vitamina C, carotenóides, e outras formas ou derivados de vitamina E, tais como tocoferóis. Após 23 anos de acompanhamento , o estudo mostrou que as pessoas que consumiam mais vitamina E e carotenóides tiveram um menor risco de Diabetes Tipo 2 em comparação com as pessoas que consumiram níveis mais baixos do antioxidante, mas esse efeito não estava relacionado com a ingestão de vitamina C.

Nos Estados Unidos, fast food e alimentos contendo altos teores de açúcar são populares na mesa de comida. A conclusão deste estudo deve encorajar as pessoas a adicionar mais alimentos que sejam ricos em carotenóides para ajudar a impedir o desenvolvimento do Diabetes Tipo 2.

Pontos Relevantes :

· Um estudo de coorte de acompanhamento de participantes japoneses mostrou a associação de elevados teores de carotenóides séricos e o risco de desenvolvimento do Diabetes Tipo 2.

· Os resultados mostraram que a mais alta concentração de alfa-caroteno, beta-criptoxantina e carotenóides totais provitamina A foi relacionada ao menor risco de desenvolvimento do Diabetes Tipo 2.

· Nos Estados Unidos, os alimentos que tiveram altas carotenóides também ajudou as pessoas a reduzirem o risco do Diabetes.

WHO. [Accessed January 3, 2014];Diabetes Programme Facts and Figures. 2011. who.int/diabetes/facts/en/

Sugiura M, Nakamura M, Ogawa K, Ikoma Y, Yano M. High-serum carotenoids associated with lower risk for developing type 2 diabetes among Japanese subjects: Mikkabi cohort study. BMJ Open Diabetes Research Care 2015.

Hofe CR, Feng L, Zephyr D, Stromberg AJ, Henning B, Gaetke LM. Fruit and vegetable intake, as reflected by serum carotenoid concentrations, predicts reduced probability of PCB-association for type 2 diabetes: NHANES 2003 -2004. Nutrition Research. 2014 Apr:34(4); 285-293.

Montonen, J. Diabetes Care, February 2004; vol 27: pp 362-366.

oldestnewest

You may also like...