Estudo indica que dose de vinho ajuda no combate ao diabetes

Estudo indica que dose de vinho ajuda no combate ao diabetes

Os benefícios do vinho tinto dependem também de uma dieta equilibrada, como a mediterrânea, composta por azeites, frutas, castanhas e peixes.

Médicos temem que a ingestão terapêutica termine em exageros

À noite, durante o jantar, uma pequena taça de vinho pode não só evitar doenças cardíacas. Ajuda também no controle do açúcar no sangue e do colesterol. Os três benefícios são mais que bem-vindos para quem sofre com o diabetes do tipo 2. A prevenção gastronômica é sugerida por cientistas da Ben-Gurion Universidade de Negev, em Israel, em pesquisa publicada recentemente na revista Annals of Internal Medicine.

Trata-se de um dos primeiros estudos feitos a longo prazo com diabéticos para mostrar que é seguro iniciar o consumo moderado de vinho como forma de atenuar os sintomas da doença. Sabe-se que pessoas com diabetes têm mais chances de desenvolver problemas cardiovasculares, além de apresentarem baixos níveis de HDL, o colesterol bom. O que não se imaginava é que o vinho, principalmente o álcool combinado a outros componentes da bebida, pudesse melhorar esses quadros.

“Escolhemos para o estudo o vinho tinto e o branco seco por terem conteúdo calórico e de etanol semelhantes e elevados níveis de fenóis e de compostos do grupo resveratrol, que são ainda maiores no tinto”, explica, em entrevista ao Correio, a líder do estudo israelense, Iris Shai, especialista em metabolismo e nutrição. Embora o consumo de álcool não seja recomendado para quem tem a doença, tanto a do tipo 1 quanto a do tipo 2, devido à sobrecarga do fígado, os pesquisadores fizeram a triagem e o acompanhamento rigorosos dos pacientes para chegar a esses resultados.

Foram recrutados 224 diabéticos com mais de 40 anos e que não apresentavam qualquer vício, incluindo o tabagismo. Ao longo de dois anos, os pacientes seguiram a dieta mediterrânea, composta por azeites, frutas, legumes, folhas, castanhas e peixes. Os participantes foram divididos em dois grupos: um deveria beber 150ml de vinho todas as noites, outro deveria beber apenas água. Ao fim do período estudado, foram observadas melhoras cardiovasculares e metabólicas maiores no grupo que consumiu vinho em comparação ao que ingeriu água. Houve, no entanto, alterações no sono, associadas ao álcool.

Dependência

Para evitar exageros na ingestão da bebida alcoólica, uma nova garrafa só era fornecida aos participantes quando eles devolviam a vazia. Além disso, os níveis de álcool eram medidos pela urina. “Eles recebiam um copo com a medida e encaravam como uma dose de remédio. As orientações e o acompanhamento foram bastante apertados, pois estávamos cientes do risco de deixar de beber moderadamente para beber bastante”, conta Shai.

Essa possibilidade é o que deixa apreensivo o cardiologista Carlos Alberto Machado. “O médico não deve estimular o paciente ao consumo de álcool, principalmente quando as mesmas substâncias benéficas podem ser encontradas em sucos e castanhas, por exemplo”, defende. O médico lembra que muitos pacientes ficaram animados quando começaram a surgir estudos indicando os benefícios do vinho e de outras bebidas alcoólicas à saúde, mas ele não vê vantagens nesse tipo de tratamento. “Se me perguntam se podem tomar vinho ou outra bebida, eu explico, oriento, mas ofereço alternativas. Deve haver um cuidado para evitar o alcoolismo, que é um problema de saúde pública muito sério no mundo.”

O endocrinologista Airton Golbert também se mostra receoso com o consumo do vinho, ainda que de forma terapêutica, entre pacientes com diabetes. “É difícil prescrever. A pessoa, muitas vezes, não acredita na recomendação, na limitação da dose. Ela pensa: ‘Se um cálice é bom, uma garrafa é melhor ainda’. Não há contraindicação, mas não indico”, justifica.

Origens distintas

O diabetes tipo 1 é uma doença autoimune. Células beta pancreáticas são destruídas pela formação de anticorpos do próprio organismo, levando à deficiência de insulina. Em geral, acomete crianças e adultos jovens, mas pode ser desencadeado em qualquer faixa etária. O tipo 2 representa a maioria dos casos, em torno de 90% dos diabéticos. Nesses pacientes, a insulina é produzida pelas células beta pancreáticas, mas a ação do hormônio é dificultada, caracterizando um quadro de resistência insulínica. Isso leva a um aumento da produção de insulina para tentar manter a glicose em níveis normais. Quando não é mais possível, surge o diabetes.

Palavra de especialista

Melhor o suco de uva

“O vinho, em especial o tinto, tem substâncias flavonoides oxidantes que protegem o endotélio, que é uma das maiores glândulas na produção de vasodilatadores, evitando, assim, doenças cardiovasculares. Mas você pode encontrar esse mesmo fator protetor no suco de uva sem açúcar. Não necessariamente é preciso consumir álcool. Ele é muito calórico e, em excesso, afeta o pâncreas e o fígado, o que é gravíssimo para quem tem diabetes.”

Carlos Alberto Machado, cardiologista membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia

Fonte: Ciência e Saúde do CB - postado em 09/12/2015

2 Replies

oldestnewest
  • É vinho mesmo, não pode ser substituído por suco de uva,né?

  • O autor, diz que sim, re-veja o texto :

    " Mas você pode encontrar esse mesmo fator protetor no suco de uva sem açúcar. Não necessariamente é preciso consumir álcool. Ele é muito calórico e, em excesso, afeta o pâncreas e o fígado, o que é gravíssimo para quem tem diabetes.”

You may also like...