A Nutrição na Infância Afeta Signific... - Diabetes, Aprende...

Diabetes, Aprender a Conviver - ANAD

1,624 members1,846 posts

A Nutrição na Infância Afeta Significativamente o Crescimento

FF49
FF49Administrator

A nutrição infantil tem um impacto direto na altura e peso dos jovens, afirmam os pesquisadores.

Uma equipe do Imperial College London estudou os padrões de crescimento de 65 milhões de crianças e adolescentes entre cinco e 19 anos de 193 países ao redor do mundo.

Eles descobriram que havia uma diferença de 20 cm de altura entre os jovens de 19 anos nas nações mais altas e mais baixas.

Os adolescentes de Bangladesh e da Guatemala eram os mais baixos e sua altura aos 19 era igual à dos adolescentes de 11 anos da Holanda, o país que tinha os meninos e meninas mais altos.

O autor sênior do estudo, Professor Majid Ezzati, disse:

“Em alguns países, as crianças crescem de forma saudável até cinco anos, mas ficam para trás nos anos escolares. Isso mostra que há um desequilíbrio entre o investimento na melhoria da nutrição na pré-escola e nas crianças e adolescentes em idade escolar.

“Esta questão é especialmente importante durante a pandemia COVID-19, quando as escolas estão fechadas em todo o mundo e muitas famílias pobres são incapazes de fornecer nutrição adequada para seus filhos.”

Os pesquisadores também analisaram o Índice de Massa Corporal (IMC) mundial em crianças. Eles descobriram que os jovens de 19 anos com o maior IMC eram das ilhas do Pacífico, Oriente Médio, EUA e Nova Zelândia.

O IMC mais baixo foi registrado em países do sul da Ásia, como Índia e Bangladesh. A diferença entre os jovens de IMC mais baixo e mais alto foi de 25 kg de peso.

Os pesquisadores acreditam que a falta de alimentos nutritivos e de qualidade em alguns países está levando ao atraso do crescimento e, em alguns casos, à obesidade infantil.

Além da Holanda, outros países do noroeste e centro da Europa, como Montenegro, Dinamarca e Islândia, tiveram os jovens mais altos.

Os adolescentes mais baixos foram encontrados principalmente no sul e sudeste da Ásia, América Latina e África Oriental, incluindo Timor-Leste, Papua Nova Guiné, Guatemala e Bangladesh.

A Dra. Andrea Rodriguez Martinez, principal autora do estudo da Escola de Saúde Pública Imperial, acrescentou:

“Nossas descobertas devem motivar políticas que aumentem a disponibilidade e reduzam o custo de alimentos nutritivos, pois isso ajudará as crianças a crescerem sem engordar excessivamente sua altura.

“Essas iniciativas incluem vales-alimentação para alimentos nutritivos para famílias de baixa renda e programas de alimentação escolar saudável gratuita , que estão particularmente ameaçados durante a pandemia. Essas ações permitiriam que as crianças crescessem sem engordar excessivamente, com benefícios para a vida toda para sua saúde e bem-estar ”.

Os resultados do estudo foram publicados no The Lancet.

Fonte: diabetes.co.uk- Por: Editor , 23 de fevereiro de 2021

1 Reply

Ótimo texto. Embora otítulo esteja em desacordo com o texto, pois é a nutrição deficiente que impacta negativamente do desenvolvimento da criança. Mas não é só, outras questões são igualmente essenciais ao desenvolvimento físico e cognitivo dos indivíduos: as questões sanitárias e ambientais, além dos hábitos de vida saudável, dentre outros.