MÉDICOS REPENSAM A FORMA DE TRATAR A CONEXÃO DEPRESSÃO-DIABETES

MÉDICOS REPENSAM A FORMA DE TRATAR A CONEXÃO DEPRESSÃO-DIABETES

Agora, os médicos estão com maior frequência procurando uma ligação depressão-diabetes em seus pacientes, e mudando para novos modelos mais abrangentes de tratamento.

Cada vez mais, os médicos estão procurando a existência da ligação depressão-diabetes em seus pacientes, e eles estão mudando para novos modelos abrangentes de tratamento.

“É mais holístico e mais centrado no paciente”, disse o Dra. Sherita Golden, uma professora da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins.

Golden é uma especialista em gestão de diabetes que aprendeu desde cedo em sua carreira sobre os perigos da conexão diabetes-depressão.

“Esta paciente minha estava tão angustiada com o fato de ter diabetes por tanto tempo que chegou ao ponto de querer cometer suicídio”, lembrou Golden, acrescentando que despertou o seu interesse em tratar tanto os aspectos mentais quanto os físicos na mesma seção.

Golden diz que os pacientes sempre souberam sobre este vínculo.

Eles costumam dizer aos seus médicos, “Quando eu estou passando por um período mais estressante noto que meu açúcar no sangue está mais elevado”, disse ela.

É um pouco parecido com o fenômeno da galinha-e-o-ovo. As exigências de ser um diabético pode levar à depressão, e as pessoas com sintomas depressivos produzem uma boa quantidade de cortisol, o hormônio do estresse, o que pode resultar em resistência à insulina e levar ao diabetes.

E Golden cita uma outra parte deste link: “A alta de glicose que está associada com a diabetes pode afetar áreas do cérebro que controlam a forma como pensamos e como nos sentimos”.

Pesquisa sobre esta conexão mente-corpo ainda estão em andamento e ainda há muitas perguntas sem respostas.

Alguns desses estudos estão sendo conduzidos na Universidade Johns Hopkins, onde os diabéticos que chegam na clínica de Golden são examinados rotineiramente para a depressão.

“Cerca de 20 por cento da nossa população clínica possuem espectro de diabetes tipo 2 positivos para os sintomas depressivos”, disse ela, notando que as avaliações psiquiátricas posteriores revelam que cerca de 17 por cento, na verdade, têm uma grande depressão.

Golden disse que a maioria dos pacientes se cuida melhor quando tratados em um ambiente familiar, recebendo serviços de saúde mental necessários em conjunto com uma clínica ou consultório onde começam os cuidados primários.

“Você está em um ambiente de grupo para que haja um psiquiatra, um médico da atenção primária, que é geralmente um clínico e, gerenciando o caso, uma enfermeira”, disse ela, acrescentando que este tipo de tratamento abrangente, não só melhora a depressão, mas pode manter a glicemia a níveis mais controlados, também.

A American Diabetes Association tem dicas para detectar depressão em seu site, e orienta a todos diabéticos que têm vários desses sintomas, ou que estejam se sentindo deprimidos por duas semanas ou mais, a procurar ajuda profissional.

Fonte: Portal tiabeth - Notícia - Psicologia - 8 de junho de 2016

1 Reply

oldestnewest
  • Verdade, tenho vontade somente de ficar deitado e isolado.

You may also like...