Parar o tratamento com aspirina aumenta o risco cardiovascular em mais de um terço

Parar o tratamento com aspirina aumenta o risco cardiovascular em mais de um terço

O abandono do tratamento com aspirina pode representar uma séria ameaça para a saúde, revela um novo estudo

Nova pesquisa publicada na revista Circulation sugere que interromper o tratamento a longo prazo com uma baixa dose de aspirina pode aumentar a probabilidade de um segundo acidente vascular cerebral ou cardíaco.

Pesquisadores liderados por Johan Sundström, professor de epidemiologia na Universidade de Uppsala, na Suécia, tentaram examinar o efeito de parar o tratamento com aspirina(ácido acetilsalicílico - AAS ) em dose baixa dose de ter um segundo ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

A American Heart Association (AHA) recomenda que as pessoas com risco de ter um ataque cardíaco tomem doses baixas de aspirina preventivamente. A aspirina também é recomendada pela AHA para ataques cardíacos e sobreviventes de AVC, a fim de evitar a recorrência.

Dito isto, pesquisa anterior - referenciada pelos autores em seu novo estudo - mostra que 10 a 20 por cento dos pacientes aconselhados a continuar a tomar aspirina, preventivamente, escolhem ignorar o conselho.

Esses pacientes interrompem seu tratamento nos primeiros 1 a 3 anos após o evento cardiovascular inicial. Mas qual é o efeito de parar o tratamento? A nova pesquisa investiga.

A suspensão da aspirina aumenta o risco em 37%

O professor Sundström e seus colegas examinaram os registros médicos de 601.527 pessoas com 40 anos ou mais que não tinham história de câncer e tomaram aspirina em doses baixas para prevenir um primeiro ou um segundo ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral entre 2005 e 2009.

A adesão ao tratamento entre essa amostra de população foi de 80% no primeiro ano.

Os eventos cardiovasculares foram definidos como infarto do miocárdio, que é mais conhecido como ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou morte cardiovascular. Durante o período de acompanhamento , foram registrados 62.690 eventos cardiovasculares.

Aqueles que pararam o tratamento com aspirina foram 37 por cento mais propensos a ter um evento cardiovascular adverso do que aqueles que continuaram a terapia. Isso equivale a 1 em cada 74 pacientes que abandonaram a aspirina com ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou morte como resultado de um evento cardiovascular.

Sobre as implicações clínicas desses resultados, os autores do estudo afirmam: "A adesão ao tratamento com aspirina com baixa dose na ausência de cirurgia ou hemorragia grave é provavelmente um importante objetivo de tratamento".

Como este é um estudo observacional, não pode explicar a causalidade. No entanto, a equipe considerou a possibilidade de que parar a aspirina pode causar um chamado efeito de rebote.

Isto refere-se à possibilidade de que a suspensão da aspirina, que tenha propriedades de diluição do sangue, pode ter efeitos de coagulação no sangue após a descontinuação. Alguns estudos experimentais apoiaram essa teoria.

"A importância clínica de um efeito de rebote pode ser substancial por causa do grande número de pacientes com aspirina e as altas taxas de descontinuação", escrevem os autores.

"A terapia de aspirina com baixa dose é um tratamento simples e barato [...] Enquanto não houver hemorragia ou nenhuma cirurgia importante agendada, nossa pesquisa mostra os benefícios significativos para a saúde pública que podem ser obtidos quando os pacientes permanecem na terapia com aspirina".

Prof. Johan Sundström

"Esperamos", acrescenta, "nossa pesquisa pode ajudar médicos, profissionais de saúde e pacientes a tomar decisões informadas sobre a suspensão ou não do uso de aspirina".

Forças e limitações do estudo

O estudo investigou uma grande amostra de população nacional, que totalizou mais de 60.000 eventos cardiovasculares.

Os pesquisadores tiveram acesso a todos os pacientes suecos que tomaram doses baixas de aspirina no longo prazo, como fizeram com registros médicos de "alta precisão" que os ajudaram a determinar os resultados a longo prazo da interrupção do tratamento.

Mas os autores do estudo também observam algumas limitações. Eles não tiveram acesso a dados socioeconômicos sobre seus pacientes, o que pode ter confundido os resultados. Pressão arterial, lipídios e status de tabagismo também não foram contabilizados.

Os pesquisadores também observam o risco de causalidade reversa - ou seja, a possibilidade de que os pacientes que descontinuaram o tratamento já tenham sido predispostos à morte prematura.

Fonte: Medical.News.Today, de 26/09/2017, por Ana Sandoiu

oldestnewest

    You may also like...