DIABETES E A SAÚDE ÓSSEA

DIABETES E A SAÚDE ÓSSEA

“ Pessoas diabéticas devem manter um bom controle da glicose para evitar problemas “

O número de casos de diabetes está crescendo muito rapidamente não só nos países desenvolvidos, mas também nos países em desenvolvimento. A Índia possui cerca de 69 milhões de pessoas com diabetes , obesidade, estilo de vida sedentário, e o aumento do consumo de alimentos calóricos juntamente com a transição econômica são fatores importantes para a explicação desta epidemia de diabetes.

Diabetes, quando não controlado, afeta quase todos os órgãos de nosso corpo, incluindo nervos, olhos, rins, coração, cérebro e membros. No entanto, os ossos também são afetados pela diabetes não controlada, o que tem sido um objeto de debate.

O esqueleto humano adulto contém 206 ossos que variam em tamanho de pequenos ossículos na orelha para o maior osso da coxa que é fêmur de 45 cm de comprimento. O diabetes não controlado afeta os ossos, tanto em pacientes DM1, que geralmente ocorre em crianças, quanto em pacientes do tipo 2, que afeta indivíduos mais velhos.

Crianças com diabetes do tipo 1 possuem uma menor densidade mineral óssea o que pode aumentar o risco de fratura. Isto ocorre como resultado da deficiência absoluta de insulina, visto que a insulina é um hormônio anabólico para o osso, e a glicose no sangue descontrolada, resulta em prejuízo da formação óssea. Além disso, eles estão em uma idade crescente e podem não ser adequadamente suplementados com cálcio, vitamina D e nutrientes devido à uma saúde prejudicada causada pela glicemia descontrolada.

O atraso no crescimento e desenvolvimento da puberdade também pode contribuir para o comprometimento da saúde óssea porque os hormônios sexuais também são necessários para o crescimento ósseo. Co-morbidades concorrentes como neuropatia e retinopatia também podem resultar em risco aumentado de fratura devido ao fraco equilíbrio e comprometimento da visão, respectivamente. E como as crianças DM1 são mais propensas à hipoglicemia (redução da glicemia), isto também as predispõe a sofrer quedas e eventuais fraturas.

Pacientes com DM2, que contribuem com 95% da população total de diabéticos, têm uma densidade mineral óssea normal ou aumentada, mas predispostos ao risco aumentado de fratura de fragilidade, como mostrado na população ocidental. No entanto, os resultados do nosso centro mostram diminuição da densidade mineral óssea e aumento do risco de fratura de fragilidade (fratura de quadril) em pacientes com DM2.

O diabetes não controlado, o aumento do estresse oxidativo, a qualidade comprometida do colágeno ósseo com menor elasticidade, as comorbidades concorrentes como neuropatia, retinopatia, úlcera do pé diabético, hipoglicemia recorrente, queda súbita da PA (pressão arterial) e menopausa associada predispõem para aumento do risco de fratura nesses pacientes.

Além disso, diminuição da massa muscular e força associada ao envelhecimento, simultânea à deficiência de vitamina D, tabagismo e consumo de álcool também aumentam o risco de fratura nesses pacientes. Ainda, medicamentos anti-diabéticos como inibidores de pioglitazona e SGLT-2 também aumentam o risco de fratura, medicamentos estes freqüentemente prescritos para pacientes DM2.

Por conseguinte, recomenda-se a todos aqueles com diabetes que querem manter uma boa saúde óssea:

1. Um ótimo controle da glicemia (HbA1c <7%)

2. Atividade física regular (caminhada rápida 45 min / 5 dias por semana e exercícios de resistência leves)

3. Suplementos de cálcio e vitamina D

4. Cessar o tabagismo e consumo de álcool

5. Fazer monitoramento periódico para complicações diabéticas

Dr. Anil Bhansali , Professor e Chefe, Departamento de Endocrinologia, PGIMER, Chandigarh.

timesofindia.indiatimes.com/

Fonte: Portal Tia Beth de 25 de abril de 2017

oldestnewest

    You may also like...