O Organismo em uma Maratona

O Organismo em uma Maratona

Neste domingo, cerca de 26 mil pessoas participaram da Maratona do Rio de Janeiro.

São 42km de prova que passam por alguns dos principais pontos turísticos da Cidade. Uma das provas mais democráticas têm disputas diferentes com 6km, 21km e 42km, que reúnem atletas de elite e iniciantes.

As maratonas, 42km, são provas que exigem muita preparação e é importante entender o que acontece com o organismo, tanto para os atletas quanto para as equipes de profissionais de saúde que fazem o acompanhamento dos atletas.

A SBEM vem acompanhando de perto os estudos, trazendo informações aos endocrinologistas para um cuidado mais especializado.

Além de entender muito do tema, o Dr. Josivan Lima, membro da Comissão Temporária para o Estudo da Endocrinologia, Exercício e Esporte (CTEEE), é um praticante do esporte. Ele explica que se uma pessoa treinou adequadamente para a Maratona, no dia da prova não haverá mudanças drásticas, pois o organismo já terá sofrido adaptações importantes. “Já existem alterações metabólicas, mesmo após um único treino.

Se estes treinos são continuados (mínimo de quatro meses para se preparar especificamente para este tipo de prova), as modificações agudas cronificam, facilitando terminar a prova”.

O endocrinologista esclarece que, normalmente, a glicose é captada pelo músculo sob estímulo da insulina.

“O exercício pode estimular a captação de glicose, via uma enzima chamada AMPK, independentemente da insulina. Por isso, melhora a sensibilidade à insulina.

O ADH (hormônio anti-diurético) aumenta com o exercício, tentando evitar a desidratação.

O GH (hormônio do crescimento) que costuma aumentar agudamente com o exercício, mas com o treinamento ocorrerá uma adaptação e o pico fica menor”.

Ainda na área hormonal do organismo, O Dr. Josivan comenta outras reações do organismo.

“O T4 aumenta em torno de 30 a 35%, mas também este efeito é perdido com o treinamento crônico, após adaptação do organismo.

O cortisol e ACTH aumentam, normalmente, com o exercício, e quanto mais intenso for, maior a elevação.

A aldosterona também se eleva sendo mais importante na fase de recuperação para repor a volemia perdida pelo suor”.

A SBEM tem se preocupado em esclarecer diversas questões sobre o acompanhamento de atletas e de quem quer participar de atividades físicas.

O Dr. Josivan comenta que o endocrinologista pode ajudar na avaliação inicial, descartando alguma doença que contraindique a participação de provas de longa duração, bem como poderá orientar, se necessária a suplementação de proteínas, aminoácidos, ferro, vitamina D, etc. Orientará, também, que não deve ser feito uso de anabolizantes ou qualquer outra substância, mesmo que melhore a performance, pois pode trazer graves efeitos indesejáveis para a saúde.

O médico já participou de diversas maratonas, isso tem servido de exemplo para seus pacientes. São 10 anos correndo em provas como esta e ele não tem dúvidas que a opção o ajudou a se manter mais saudável. “Não é o objetivo, mas vários pacientes me procuram para orientação pelo fato de eu também ser corredor”.

Entre os cuidados especiais estão a alimentação e atenção ao uso de suplementos para provas que exigem muito do organismo.

“Os suplementos, como o próprio nome diz, deverão ser utilizados sempre que o exercício estiver sendo muito intenso e os nutrientes provenientes da alimentação estiverem insuficientes para a demanda gerada pelos treinamentos. O endocrinologista poderá fazer esta avaliação e prescrever os suplementos, baseando-se na resposta fisiológica corporal ao exercício.”

A CTEEE é uma comissão especial criada pela SBEM para analisar e estudar cada vez mais o que acontece no organismo na prática de atividades físicas. Eventos de atualização científica estão sendo realizados para informar profissionais de maneira adequada.

O próximo Workshop acontecerá durante o Congresso Brasileiro de Endocrinologia e Metabologia, em Vitória, em agosto.

A CTEEE tem como presidente o Dr. Fábio Ferreira de Moura e os membros – além do Dr. Josivan Lima - Dr. Roberto Luís Zagury, Dra. Victoria Borba, Dr. Ricardo de Andrade Oliveira, Dr. Clayton Luiz Dornelles Macedo, Dr. Yuri Galeno, Dra. Rosana Radominski e Dr. Mauro Scharf.

Na foto da matéria, o corredor 1339 é o Dr. Josivan Lima em uma das participações em corridas.

1 Reply

oldestnewest
  • Sob todos os aspectos, é uma ótima atividade mesmo porque temos a oportunidade de fornecer ao corpo físico, um ótimo bem estar!

You may also like...