DIABETES NÃO CONTROLADO PODE OCASIONAR DOENÇA RENAL CRÔNICA

Hospital Alemão Oswaldo Cruz alerta para os riscos de doenças que atacam silenciosamente

A crescente prevalência do diabetes no Brasil e no mundo tem tornado mais frequente também a ocorrência de Doença Renal Crônica. Quando associado ao diabetes, esse problema se desenvolve de maneira silenciosa e gradativa, podendo ocasionar a perda de função renal e a necessidade de tratamento com diálise ou transplante, impactando na qualidade de vida e aumentando o risco de morte prematura. Nos Estados Unidos, o diabetes melito é a principal causa para iniciar o tratamento dialítico e no Brasil, a segunda causa, perdendo apenas para hipertensão arterial.

Também conhecida como nefropatia diabética, a Doença Renal Crônica em pacientes com Diabetes é resultado da longa exposição à glicemia elevada, associada ao mau controle da pressão arterial, dos níveis do colesterol, do hábito de fumar, do aumento do peso e também de fatores genéticos. Segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, a chance de um portador de diabetes ter algum grau de nefropatia diabética é cerca de 30%.

Segundo o Dr. Américo Cuvelo Neto, Coordenador do Centro de Nefrologia e Diálise e Membro do Corpo Clínico do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP), a insuficiência renal em estágio avançado nos pacientes com diabetes é caracterizada por aumento dos níveis de creatinina e uréia no sangue, e por sinais e sintomas como falta de apetite, fraqueza geral, náuseas, anemia, inchaço no corpo devido à retenção de água no organismo, aumento da pressão arterial, do potássio e acidose metabólica. “Neste quadro, o rim é incapaz de controlar a concentração de vários sais vitais para o corpo, do volume de líquido e de excretar substâncias tóxicas ao nosso organismo. Nesta fase, é necessária a utilização da terapia renal substitutiva, ou seja, a diálise. Além disso, quando o diabetes afeta os rins, o controle glicêmico deve ser individualizado e é preciso pesar os riscos devido à maior chance de ocorrência de hipoglicemia”, afirma Dr. Américo.

Todo paciente diabético deve realizar um teste, ao menos uma vez ao ano, para checar a ocorrência de perda de albumina na urina. Esta anormalidade é conhecida como microalbuminúria e ocorre em geral anos antes do aumento da pressão arterial ou da perda da função renal, que é estimada pelo ritmo de filtração glomerular, que utiliza a dosagem de creatinina no plasma como um dos parâmetros.

Esse acompanhamento do paciente diabético é fundamental para que a doença não evolua para a insuficiência renal. Diante desse cenário, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz possui um Centro de Obesidade e Diabetes para diagnosticar e tratar os pacientes de forma integral, individualizada e humanizada, acompanhando todas as etapas clínicas do paciente.

Além disso, para atender os casos em que o diabetes já comprometeu os rins, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz conta com o Centro de Nefrologia e Diálise, que oferece uma infraestrutura completa para realização de atendimentos de alta complexidade, no qual são realizadas terapias de substituição renal, hemodiálise convencional, hemodiálise diária, diálise peritoneal, hemodiafiltração convencional e hemodiafiltração diária. O atendimento é feito de forma individualizada, com suporte nutricional e seguimento ambulatorial personalizados. Dentre os diferenciais, está a não reutilização de filtros e linhas usados nas sessões de diálises, além da alta tecnologia para monitorização não invasiva durante os procedimentos.

A prevenção da nefropatia diabética depende do bom controle glicêmico, principalmente nos primeiros dez anos após o diagnóstico do diabetes, no controle da pressão arterial, na dieta sem excesso de proteína, na parada do hábito de fumar, na redução do peso e no controle dos níveis das gorduras do sangue. É importante também que o paciente seja orientado a não utilizar, sem acompanhamento médico, remédios que potencialmente possam lesar o rim e que exames rotineiros sejam realizados para checar a presença de proteína na urina ou se o ritmo de filtração glomerular está em declínio ou não.

Uma pesquisa inédita está sendo conduzida pelo Dr. Ricardo Cohen e também realizada pelo IECS, com o objetivo de comprovar os benefícios do tratamento cirúrgico em comparação ao melhor tratamento clínico para doenças microvasculares decorrentes do Diabetes tipo 2, como as retinianas, renais e neuropatias. Com previsão de conclusão para 2015, a investigação inclui pacientes com história de Diabetes de até 15 anos e com IMC entre 30 e 35 kg/m². A pesquisa está em fase de recrutamento. Os pacientes que atenderem aos critérios e tiverem interesse em participar devem entrar em contato pelo e-mail obesidade@haoc.com.br.

Fonte:

Revista Hospitais Brasil

oldestnewest

You may also like...