Pesquisa Clínica: Um Valioso Aliado a Serviço do Tratamento do Diabetes

Todos nós, profissionais de saúde envolvidos no tratamento do Diabetes Mellitus Tipo 2 (DM2), sabemos que esta doença é multifatorial, sendo caracterizada por várias disfunções no metabolismo da glicose. Também é bem estabelecida a associação do DM2 com o aumento do risco de doença cardiovascular, em boa parte devido às complicações micro e macrovasculares.

O investimento em pesquisa clínica é condição sine qua non para que tenhamos cada vez mais ferramentas terapêuticas para o controle da doença. De alguns anos para cá, a comunidade médica presenciou a materialização de novas estratégicas terapêuticas através do lançamento de medicamentos inovadores.

No contexto do desenvolvimento farmacológico, pode-se destacar o aparecimento de novas classes

terapêuticas, em especial os inibidores da enzima DPP-4 e os análogos do GLP-1. Atualmente no Brasil são comercializadas 4 moléculas da primeira classe (sitagliptina, vildagliptina, saxagliptina e linagliptina) e 2 moléculas da última classe (exenatida, liraglutida).

No primeiro trimestre deste ano, o EMA – European Medicine Agency - aprovou uma nova molécula de análogo do GLP-1, a lixisenatida. Como sempre, é com muito bons olhos que vemos o aumento do arsenal terapêutico para o tratamento do DM2, em especial num momento em que a individualização do tratamento deve ser a base para a definição da conduta terapêutica.

A lixisenatida foi desenvolvida com base na molécula da exedina-4. A diferença consiste da retirada de um aminoácido prolina e no acréscimo de 6 aminoácidos lisinas no terminal-C da molécula exedina-4. A figura abaixo demonstra a sequência de aminoácidos que compõe a molécula da lixisenatida.

Atualmente já comercializada em países como o Reino Unido, Alemanha e Dinamarca, a lixisenatida possui 2 dosagens comerciais diferentes de acordo com a fase do tratamento. Para as 2 primeiras semanas de tratamento preconiza-se a dose de 10mcg, a ser injetada dentro do período de 1 hora antes do café da manhã. A dose de manutenção de tratamento é 20mcg.

Quanto aos estudos clínicos, a eficácia e segurança da lixisenatida foi avaliada pelo programa clínico GetGoal, que envolveu mais de 5.000 pacientes e estudou a molécula em uma série de esquemas terapêuticos diferentes: monoterapia, combinação com 1 ADO, combinação com múltiplos ADOs e combinação com insulina basal. Em relação à combinação terapêutica, é esperado que a molécula seja aprovada no Brasil já com a indicação para uso conjunto com a insulina basal,

além do uso associado com antidiabéticos orais.

Segundo as diretrizes da ADA/EASD (Sociedades Americana e Européia de Diabetes, respectivamente), os análogos de GLP-1 são moléculas caracterizadas por alta eficácia na redução da HbA1c, baixo risco de hipoglicemia e efeito benéfico no peso corporal.

Considerando os efeitos de classe, podemos esperar que a lixisenatida tenha efeitos semelhantes às moléculas já comercialmente disponíveis no Brasil. Vale ressaltar, entretanto, que o perfil desta nova molécula trás algumas possibilidades de individualização do tratamento do DM2 devido ao seu perfil de controle da glicemia. Com posologia recomendada de 1 injeção por dia, a lixisenatida pode ser considerada um análogo de GLP-1 de ação prandial, dada a sua ação na redução da HbA1c por meio de um efeito pronunciado no controle da glicemia pós-prandial.

Fonte:Sanofi Diabetes

Last edited by

3 Replies

oldestnewest
  • Bom dia , meu amigo.

    Como vai? Espero que tudo esteja bem.

    Li matéria sobre Pâncreas Artificial , e pelo que entendi só serve para casos de Diabetes Tipo 1.

    É isso mesmo ?

    Grande abraço.

    Minho.

  • Prezado Minho, está tudo muito bem , obrigado. Meu entendimento é que vale para todos os portadores de Diabetes que fazem uso de terapia com Insulina. Temos observado cada vez mais a indicação da aplicação de insulina no tratamento do Diabetes Tipo 2, e ai nesta matéria do Pâncreas Artificial , que no fundo é uma Bomba de insulina, é um sistema de aplicação. Este sistema tem sido muito estudado e comparado com outras formas de aplicação. Vou enviar um trabalho que acabei de traduzir. Um abraço

  • Caro Flávio. Muito obrigado pelo esclarecimento,sempre muito prestativo.

    Ficarei no aguardo.

    Grande abraço.

You may also like...