Log in
Diabetes, Aprender a Conviver - ANAD
1,526 members1,311 posts

Diabetes: Uma pílula poderia substituir as injeções de insulina?

Pesquisadores desenvolveram uma nova pílula que pode levar a insulina diretamente para a parede do estômago.

As injeções de verdade logo serão uma coisa do passado?

Quando o diabetes tipo 2 está em estágio avançado, o pâncreas é incapaz de produzir suficiente insulina. Neste ponto, os médicos geralmente recomendam injeções diárias de insulina para controlar os níveis de açúcar no sangue.

No entanto, a pesquisa citou uma fobia de agulhas como uma das barreiras mais significativas que impedem aqueles com diabetes tipo 2 de tomar insulina.

Ao mudar radicalmente a " entrega" de insulina, Robert Langer, professor do Instituto Koch para Pesquisa Integrativa sobre o Câncer, Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), Cambridge, e seus colegas esperam tornar o tratamento com insulina mais palatável.

Os recursos de pesquisa publicados na revista Science.

Usando microagulhas para entregar a droga

A equipe surgiu com um novo design inovador para uma pílula que consiste em uma cápsula biodegradável contendo uma microagulha de insulina. Quando uma pessoa engole a pílula, a insulina é injetada diretamente na parede do estômago.

Como o revestimento do estômago não tem nenhum receptor de dor, os pesquisadores acreditam que essa forma de liberar a droga será livre de dor.

"Estamos realmente esperançosos de que este novo tipo de cápsula possa um dia ajudar pacientes diabéticos e talvez qualquer pessoa que necessite de terapias que agora só possam ser administradas por injeção ou infusão", explica Langer.

Microneedles são agulhas de tamanho milimétrico que os cientistas originalmente desenvolveram para penetrar na pele sem causar dor.

A microagulhas neste estudo tinha dois componentes: uma ponta contendo insulina comprimida, que penetra na parede do estômago, e um eixo biodegradável, que mantém a ponta no lugar.

Dentro da cápsula, a agulha se prende a uma mola comprimida e a um disco que a equipe criou usando açúcar. O disco de açúcar se dissolve quando a cápsula entra no estômago. Ao fazer isso, libera a mola, permitindo que a microagulhas injetem na parede do estômago.

Este mecanismo parece enganosamente simples, mas o que impede a microagulha de disparar na direção errada e perder a parede do estômago?

"Assim que você toma, você quer que o sistema se auto-endireite para que você possa garantir o contato com o tecido", diz Giovanni Traverso, professor assistente do Hospital Brigham and Women, Harvard Medical School, Boston, MA.

Inspirando-se em cascos de tartaruga

A solução veio de um lugar improvável. Nativo da África Oriental e Austral, a tartaruga leopardo, que tem uma concha com cúpula alta, é um especialista em autodireitamento.

Inspirado pela forma da concha de tartaruga, os pesquisadores usaram modelagem computacional para projetar a cápsula. Independentemente de como a cápsula aterrissa no estômago, sua capacidade de autodireção garante que a agulha entre em contato com a parede do estômago.

"O importante é que temos a agulha em contato com o tecido quando ele é injetado", explica Alex Abramson, um estudante de pós-graduação do MIT e primeiro autor do estudo. "Além disso, se uma pessoa se movimentasse ou o estômago rosnasse, o dispositivo não se moveria da sua orientação preferida."

Após sua injeção na parede do estômago, a ponta da microagulha se dissolve e a insulina entra na corrente sanguínea. No estudo atual, isso levou cerca de uma hora, mas os pesquisadores podem controlar a taxa até certo ponto através da maneira como preparam a microagulha.

Até agora, os pesquisadores mostraram que podem administrar doses de até 5 miligramas usando esse sistema.

A própria cápsula passa pelo sistema digestivo sem causar efeitos colaterais.

Mais trabalho sobre o sistema de cápsula está em andamento. A equipe está esperançosa de que este novo design possa significar o fim de uma série de medicamentos que atualmente só é possível administrar por injeção.

"Nossa motivação é tornar mais fácil para os pacientes tomarem medicação, particularmente medicamentos que requerem uma injeção. A clássica é a insulina, mas há muitas outras."

Giovanni Traverso

Fonte: Medical News Today - Por Yella Hewings -Martin,PhD - 10/02/2019

4 Replies
oldestnewest

Sei não....não convenceu

Reply

Entendo perfeitamente sua opinião. Todavia o mundo científico às vezes nos parece complicado, principalmente para a grande maioria que não vive o dia a dia, com todo o respeito. A seguir uma versão diferente da mesma notícia , espero que ajude . Eu estou torcendo muito, principalmente, pois uma das empresa envolvidas, Novo Nordisk, conheço em profundidade. Só quero ajudar na divulgação das novidades, longe de mim qualquer outra pretensão.

Boa leitura:

MIT: nova cápsula libera insulina na corrente sanguínea através do estômago e pode substituir as injeções de insulina

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Avalie esta notícia

MIT: nova cápsula libera insulina na corrente sanguínea através do estômago e pode substituir as injeções de insulina

Uma equipe de pesquisa do MIT desenvolveu uma cápsula que pode ser usada para administrar doses orais de insulina, potencialmente substituindo as injeções a que os diabéticos tipo 1 têm de se submeter todos os dias.

Saiba mais sobre "Diabetes Mellitus".

Do tamanho de um mirtilo, a cápsula ingerível contém uma pequena agulha feita de insulina comprimida que é injetada na corrente sanguínea depois que a cápsula chega ao estômago. Em testes em animais, os pesquisadores mostraram que ela poderia fornecer insulina suficiente para baixar o açúcar no sangue a níveis comparáveis àqueles produzidos por injeções aplicadas na pele. Eles também demonstraram que o dispositivo pode ser adaptado para fornecer outras drogas proteicas.

Robert Langer, professor do David H. Koch Institute, membro do MIT’s Koch Institute for Integrative Cancer Research, e um dos principais autores do estudo, diz estar esperançoso de que este novo tipo de cápsula possa algum dia ajudar pacientes diabéticos e talvez qualquer um que necessite de terapias que até agora só podem ser administradas por injeção ou infusão.

Giovanni Traverso, professor assistente do Brigham and Women’s Hospital, da Harvard Medical School, e cientista visitante no Departamento de Engenharia Mecânica do MIT, onde está começando como membro do corpo docente em 2019, também é autor sênior do estudo. O primeiro autor do artigo, publicado na revista Science, é o estudante de pós-graduação do MIT, Alex Abramson. A equipe de pesquisa também inclui cientistas da empresa farmacêutica Novo Nordisk.

Há vários anos, Traverso, Langer e colegas desenvolveram uma pílula revestida com várias pequenas agulhas que poderia ser usada para injetar drogas no revestimento do estômago ou do intestino delgado. Para a nova cápsula, os pesquisadores mudaram o desenho para ter apenas uma agulha, permitindo que se evitasse injetar drogas no interior do estômago, onde seriam quebradas pelos ácidos estomacais antes de terem qualquer efeito no organismo.

A ponta da agulha é feita de insulina 100% comprimida e liofilizada, usando o mesmo processo usado para formar comprimidos de medicamentos. O eixo da agulha, que não entra na parede do estômago, é feito de outro material biodegradável. Dentro da cápsula, a agulha é presa a uma mola comprimida que é mantida no lugar por um disco feito de açúcar. Quando a cápsula é engolida, a água no estômago dissolve o disco de açúcar, liberando a mola e injetando a agulha na parede do estômago.

A parede do estômago não tem receptores de dor, então os pesquisadores acreditam que os pacientes não seriam capazes de sentir a injeção. Para garantir que o medicamento seja injetado na parede do estômago, os pesquisadores projetaram o sistema para que, não importando como a cápsula caia no estômago, ele possa se orientar de modo que a agulha entre em contato com o revestimento deste órgão.

Os pesquisadores buscaram inspiração para o recurso de auto-orientação em uma tartaruga conhecida como "tartaruga leopardo". Ela é encontrada na África, tem uma concha com uma cúpula alta e íngreme, permitindo que se endireite se rolar de costas. A modelagem por computador foi usada para criar uma variante dessa forma da tartaruga para a nova cápsula, o que permite que ela se reoriente, mesmo no ambiente dinâmico do estômago.

Uma vez que a ponta da agulha é injetada na parede do estômago, a insulina se dissolve a uma taxa que pode ser controlada pelos pesquisadores à medida que a cápsula é preparada. Neste estudo, demorou cerca de uma hora para que toda a insulina fosse totalmente liberada na corrente sanguínea.

Em testes com suínos, os pesquisadores mostraram que eles conseguiam distribuir com sucesso até 300 microgramas de insulina. Mais recentemente, eles foram capazes de aumentar a dose para 5 miligramas, o que é comparável à quantidade que um paciente com diabetes tipo 1 precisaria injetar.

Depois que a cápsula libera seu conteúdo, ela pode passar inofensivamente pelo sistema digestivo. Os pesquisadores não encontraram efeitos adversos da cápsula, que é feita de polímero biodegradável e componentes de aço inoxidável.

Maria José Alonso, professora de biofarmacêutica e tecnologia farmacêutica da Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha, descreve a nova cápsula como uma "tecnologia radicalmente nova" que pode beneficiar muitos pacientes. E diz que “não estamos falando de melhorias incrementais na absorção de insulina, que é o que a maioria dos pesquisadores neste campo tem feito até agora. Esta é de longe a mais inovadora e impactante tecnologia divulgada até o momento para a entrega de peptídeos orais”. A professora não esteve envolvida na presente pesquisa.

A equipe do MIT continua a trabalhar com a Novo Nordisk para desenvolver ainda mais a tecnologia e otimizar o processo de fabricação das cápsulas. Eles acreditam que esse tipo de medicamento pode ser útil para qualquer droga proteica que normalmente precisa ser injetada, como os imunossupressores usados para tratar a artrite reumatoide ou a doença inflamatória intestinal. Pode também funcionar para ácidos nucleicos, como DNA e RNA.

A pesquisa foi financiada pela Novo Nordisk, pelo National Institutes of Health, National Science Foundation Graduate Research Fellowship, Brigham and Women´s Hospital, Viking Olaf Bjork Research Scholarship e pelo MIT Undergraduate Research Opportunities Program.

Leia

1 like
Reply

Obrigada pela gentileza e atenção. Espero que dê certo.

Insulina injetável ninguém merece :(

Reply

TomarA que dê certo!

1 like
Reply

You may also like...