Diabetes, Aprender a Conviver - ANAD
1,469 members1,212 posts

Tratamento bem sucedido de pré-diabetes na prática clínica usando avaliação fisiológica (STOP DIABETES)

Tratamento bem sucedido de pré-diabetes na prática clínica usando avaliação fisiológica (STOP DIABETES)

Fonte: News Med ,18/09/2018 - The Lancet Diabetes & Endocrinology, 14 de setembro de 2018

Dos 84 milhões de adultos americanos com pré-diabetes por mais de 5 a 7 anos, cerca de 28 milhões evoluem para diabetes tipo 2. O objetivo desta publicação do The Lancet Diabetes & Endocrinology foi avaliar se uma abordagem terapêutica baseada em uma fisiopatologia realística poderia prevenir o desenvolvimento de diabetes tipo 2 em indivíduos de alto risco.

Pesquisadores norte-americanos do Providence Little Company of Mary Cardiometabolic Center, em Torrance, nos EUA, fizeram um estudo observacional retrospectivo de pessoas com risco aumentado de diabetes tipo 2 de uma comunidade no sul da Califórnia, EUA. Os participantes fizeram um teste oral de tolerância à glicose e foram atribuídos a uma estratificação de risco com base na presença e gravidade da resistência à insulina, função das células β deficientes do pâncreas e glicemia (ou seja, concentração de glicose plasmática de uma hora de mais de 8,6 mmol/L ou 152 mg/dL durante um teste oral de tolerância à glicose).

O tratamento foi recomendado com base no risco: metformina, pioglitazona, agonista do receptor tipo glucagon-1 (GLP-1) e terapia de estilo de vida para participantes com alto risco de diabetes, e metformina, pioglitazona e terapia de estilo de vida para risco intermediário. Indivíduos que recusaram a terapia farmacológica foram designados apenas para terapia de estilo de vida.

Os participantes foram acompanhados a cada 6 meses e os testes orais de tolerância à glicose foram repetidos aos 6 meses e subsequentemente a cada 2 anos ou mais cedo. O resultado primário da análise foi a incidência de diabetes tipo 2 de acordo com os critérios da American Diabetes Association, dentro do período do estudo (2009–16).

Entre 1º de janeiro de 2009 e 31 de dezembro de 2016, foram avaliadas 1.769 pessoas com risco aumentado de diabetes, das quais 747 (42%) foram identificadas com risco alto ou intermediário e foram recomendadas a receber tratamento farmacológico. Dos 422 participantes analisados, após seguimento médio de 32meses, 28 (7%) progrediram para diabetes tipo 2:

Sete [5%] de 141 participantes que receberam metformina, pioglitazona e terapia de estilo de vida.

Nenhum [0%] de 81 que receberam metformina, pioglitazona, GLP-1 agonista de receptores e terapia de estilo de vida.

Vinte e um [11%] de 200 que receberam apenas terapia de estilo de vida.

Em comparação com os participantes que receberam apenas terapia de estilo de vida, a razão de risco ajustada para progressão para diabetes tipo 2 foi de 0,29 (IC 95% 0,11-0,78; p=0,0009) em participantes que receberam metforminae pioglitazona, e 0,12 (IC 95% 0,02–0,94; p=0,04) em participantes que receberam metformina, pioglitazona e agonista do receptor de GLP-1. A melhoria da função das células β do pâncreas foi o mais forte preditor de prevenção do diabetes tipo 2.

A progressão para o diabetes tipo 2 em pessoas com alto risco de diabetes pode ser acentuadamente reduzida com intervenções destinadas a corrigir os distúrbios fisiopatológicos subjacentes (ou seja, a secreção prejudicada de insulina e a resistência à insulina) em um cenário real.

You may also like...