Preferência matinal e melhor sono ass... - Diabetes, Aprende...

Diabetes, Aprender a Conviver - ANAD

1,619 members1,815 posts

Preferência matinal e melhor sono associado à redução do risco de diabetes tipo 2

FF49
FF49Administrator

Fonte: Diabetes News - diabetes.co.uk ,por Jack Woodfield em 16/08/2018

Pessoas com pré-diabetes que são mais ativas no período da manhã tendem a ter IMC mais baixo e menor risco de desenvolver diabetes tipo 2 do que as pessoas com hábitos noturnos.

O estudo americano revisou um grupo de pessoas com pré-diabetes e descobriu que pessoas matutinas - aquelas que fazem atividades e comem no início do dia - tinham IMC mais baixo do que aquelas com uma 'preferência noturna' - que acordariam depois, comeriam mais tarde, à noite e ir dormir mais tarde.

Trabalhos anteriores mostraram uma ligação direta entre pessoas que lutam para dormir e um risco maior de diabetes tipo 2 . Uma equipe da Universidade de Illinois em Chicago (UIC) queria explorar ainda mais os links.

A pesquisa envolveu mais de 2.000 pessoas com pré-diabetes,resistência à insulina e níveis de açúcar no sangue levemente mais altos que o normal . Muitas pessoas que desenvolvem pré-diabetes desenvolvem diabetes tipo 2, mas um número crescente de pessoas está melhorando sua saúde através de mudanças no estilo de vida , reduzindo o risco de desenvolver o tipo 2.

Para coletar os dados para este estudo, os pesquisadores pediram aos participantes suas preferências de rotina pela manhã e à noite por meio de um questionário.

Os participantes que pontuaram alto para 'preferência matinal' eram mais propensos a acordar mais cedo, fazer atividades mais cedo e se sentir mais alertas durante o dia. Esses participantes tiveram um risco menor de diabetes tipo 2 do que aqueles com uma preferência noturna.

Além disso, níveis mais altos de descompensação horária social - referindo-se à disparidade do sono entre os finais de semana e os dias de semana - foram associados a um IMC mais alto, particularmente entre os participantes com mais de 60 anos de idade.

Aqueles com preferência à noite apresentaram, em média, IMC mais alto, o que pode ser parcialmente explicado pelo sono insuficiente, mas não pela descompensação horária social.

"O tempo e a duração do sono são potencialmente modificáveis. As pessoas podem dormir mais regularmente e tentar dormir mais, o que pode ajudar a reduzir o IMC e o potencial desenvolvimento de diabetes neste grupo de alto risco", disse o principal autor do estudo, Sirimon Reutrakul. professor de endocrinologia, diabetes e metabolismo na Faculdade de Medicina da UIC.

Os resultados foram publicados no Frontiers in Endocrinology journal.