Efeito do consumo de carnes processadas ou não-processadas em Diabetes

Efeito do consumo de carnes processadas ou não-processadas em Diabetes

O consumo de carne pode aumentar a intolerância à glicose e resistência à insulina?

A obesidade é uma epidemia crescente nos Estados Unidos e é um dos principais fatores que contribuem para as doenças tais como a diabetes.

O tratamento de obesidade pode ser um desafio e obter os benefícios de abordagens dietéticas pode ser difícil.

Vários fatores afetam essas abordagens dietéticas, incluindo o conteúdo de cada macronutriente. Macronutrientes desempenham um papel importante em funções metabólicas normais do corpo.

Algumas dietas concentram no conteúdo de hidratos de carbono, outras sobre as quantidades de gorduras ou proteínas.

Cada dieta é diferente e cada grupo de alimentos fornece valor nutricional diferente.

Devido aos recentes avanços na produção de alimentos, a carne e os açúcares se tornaram parte de nossas dietas diárias. O impacto de açúcares em pacientes com diabetes está bem estabelecida; no entanto, outros grupos de alimentos falta esta evidência para destacar o impacto que eles têm em diabetes.

Vários estudos têm apontado para o fato de que a carne pode contribuir significativamente para a obesidade e, finalmente, diabetes.

Por exemplo, o projeto SUN acompanhou 18,527 pessoas por um período médio de 8,84 anos por meio de questionários. Neste estudo, Amelia Mari-Sanchis e colegas procurou compreender os efeitos de carnes processadas em indivíduos saudáveis e seu risco de desenvolver Diabetes Tipo 2.

Após o período de acompanhamento, uma análise de regressão de Cox ajustada para fatores de confusão em destaque a associação entre o consumo de carne e a incidência de Diabetes Tipo 2. Verificou-se que 146 pacientes que consumiram mais do que três porções de carne por dia aumentou significativamente o risco de diabetes (HR 1,85; IC de 95% 1,03-3,31, P <0,031). Esta pesquisa verificou que em última análise, carnes processadas pode predispor os doentes a desenvolver diabetes secundária a obesidade (observado como um aumento no índice de massa corporal).

Da mesma forma, um recente estudo examinou os efeitos da ingestão de carne em jejum , concentrações de glicose e insulina. Este estudo de meta-análise foi composto de 50,345 participantes no total de 14 ensaios diferentes. As análises mostraram que a ingestão de carne não processada foi associada com níveis mais elevados de glicose em jejum, mas não de insulina. Aqueles pacientes que consomem carne vermelha processada foram associados com maiores concentrações de a insulina e glicose no sangue. No entanto, estes resultados foram atenuados quando os pesquisadores ajustaram para índice de massa corporal (IMC). Isso pode, eventualmente, ser explicado pelo efeito independente do IMC sobre a ingestão de carne e os níveis de insulina e glicose no sangue.

As vias pelas quais estes efeitos metabólicos são vistas são bastante complexas e não estão bem compreendidas. Assim, outros estudos analisaram esses efeitos metabólicos e observou-se que nitrosaminas presentes em carnes processadas tem efeitos tóxicos sobre as células beta do pâncreas.

Um aumento nos marcadores de inflamação também foi observado , o que pode levar à lesão no endotélio vascular, prejudicando assim a homeostase da glicose no sangue. Além disso, o elevado teor de gordura pode promover a obesidade em alguns pacientes, o que pode aumentar o risco de intolerância à glucose e resistência à insulina.

Por fim, outro mecanismo hipotético visa para o teor de ferro em carnes e seus efeitos oxidativos. Swaminathan e seus colegas descobriram que este efeito pró-oxidante é devido à produção de radicais hidroxila que levam à disfunção secretória das células beta pancreáticas, destacando ainda mais o impacto que tem sobre diabetes.

Em conclusão, vários estudos destacam que o consumo de carne tem impacto sobre diabetes. carnes processadas, em particular, são de maior preocupação devido à presença de conservantes, aditivos, nitratos, nitritos e, o que pode resultar em toxicidade para as células beta do pâncreas devido a deposição de azoto. Além disso, o teor de gordura, em certos tipos de carnes desempenha um papel importante no desenvolvimento do Diabetes Tipo 2. O alto teor de gorduras saturadas e colesterol foram anotados para ter um efeito semelhante, predispondo à obesidade e outros desequilíbrios metabólicos. O mecanismo pelo qual estas carnes causam efeitos metabólicos não é totalmente compreendido. No entanto, uma atenção especial deve ser tomada quando controlar a dieta de um paciente como são necessárias mais provas nesta área. Limitando teor de carne pode ajudar a melhorar os resultados de saúde e diminuir a incidência global de obesidade e diabetes. No entanto, um acompanhamento mais próximo deve ser implementado quando se escolhe para implementar essas práticas; riscos e vantagens devem ser tomadas em consideração.

Pontos Relevantes :

1.Quantidade superior a 3 porções diárias de carnes processadas pode potencialmente aumentar o risco de intolerância à glucose e resistência à insulina.

2.As nitrosaminas encontradas em certos conservantes à base de carne pode ter resultados tóxicos para as células beta pancreáticas, por conseguinte, prejudicar a homeostase insulina.

3.Cada padrão de dieta deve ser modificado com base no estilo de vida e os resultados da sua terapia de cada paciente, a fim de obter metas alcançáveis.

Fonte : Diabetes in control , de 3 de setembro de 2016

Pesquisado e preparado por Pablo A. Marrero-Núñez – USF College of Pharmacy Student Delegate – Doctor of Pharmacy Candidate 2017, reviewed by Dave Joffe, BSPharm, CDE

References:

Barnard, Neal, Susan Levin, and Caroline Trapp. “Meat Consumption as a Risk Factor for Type 2 Diabetes.” Nutrients 6.2 (2014): 897-910. Web.

Henneberg, Maciej. “Meat in Modern Diet, Just as Bad as Sugar, Correlates with Worldwide Obesity: An Ecological Analysis.” J Nutr Food Sci Journal of Nutrition & Food Sciences 6.4 (2016): n. pag. Web

Mari-Sanchis, A., A. Gea, F. J. Basterra-Gortari, M. A. Martinez-Gonzalez, J. J. Beunza, and M. Bes-Rastrollo. “Meat Consumption and Risk of Developing Type 2 Diabetes in the SUN Project: A Highly Educated Middle-Class Population.” PLOS ONE PLoS ONE 11.7 (2016): n. pag. Web.

Song, Y., J. E. Manson, J. E. Buring, and S. Liu. “A Prospective Study of Red Meat Consumption and Type 2 Diabetes in Middle-Aged and Elderly Women: The Women’s Health Study.” Diabetes Care 27.9 (2004): 2108-115. Web.

oldestnewest