Chocolate diário pode proteger contra a resistência à insulina e melhorar os níveis de enzimas hepáticas

Chocolate diário pode proteger contra a resistência à insulina e melhorar os níveis de enzimas hepáticas

Consumo diário de chocolate é inversamente associado com resistência à insulina e enzimas hepáticas, de acordo com uma observação de fatores de risco cardiovasculares realizada em um estudo chamado Luxembourg, publicado pelo periódico British Journal of Nutrition.

Este estudo examinou a associação do consumo de chocolate com resistência à insulina e enzimas hepáticas no soro em uma amostra nacional de adultos de Luxemburgo.

Uma amostra aleatória de 1.153 indivíduos, com idades entre 18 e 69 anos, foi recrutada para participar na observação transversal dos fatores de risco cardiovasculares no estudo Luxembourg.

O consumo de chocolate (g/dia) foi obtido a partir de um questionário sobre frequência alimentar semi-quantitativa. Os níveis de glicose e de insulina no sangue foram utilizados para o modelo de avaliação da homeostase da resistência à insulina (HOMA-IR).

Os biomarcadores hepáticos no soro, tais como γ-glutamil-transpeptidase (γ-GT), aspartato transaminase e níveis séricos de alanina-transaminase (ALT) (mg/l) foram avaliados utilizando ensaios de laboratório normalizados (padrão).

Os consumidores de chocolate (81,8%) eram propensos a serem mais jovens, fisicamente ativos, pessoas com níveis de educação mais elevados e menos comorbidades crônicas.

Após a exclusão de indivíduos que faziam uso de medicamentos antidiabéticos, o maior consumo de chocolate foi associado com menor HOMA-IR (β=-0,16, P=0,004), níveis de insulina no soro (β=-0,16, P=0,003) e γ-GT (β=-0,12, P=0,009) e ALT (β=-0,09, P=0,004), após ajustes para idade, sexo, nível educacional, estilo de vida e fatores dietéticos de confusão, incluindo a ingestão de frutas e vegetais, álcool, café e chá ricos em polifenol.

Este estudo relata uma relação inversa e independente entre o consumo diário de chocolate e os níveis de insulina, HOMA-IR e enzimas do fígado em adultos, sugerindo que o consumo de chocolate pode melhorar os níveis de enzimas hepáticas e proteger contra a resistência à insulina, um fator de risco bem estabelecido para distúrbios cardiometabólicos.

Mais pesquisas prospectivas observacionais e estudos randomizados controlados bem desenhados são necessários para confirmar esta relação transversal e para compreender o papel e os mecanismos que os diferentes tipos de chocolate podem desempenhar na resistência à insulina e nas alterações cardiometabólicas.

Fonte: British Journal of Nutrition, Volume 115, número 9, de maio de 2016

NEWS.MED.BR, 2016.

oldestnewest