Maior expectativa de vida para portadores de Diabetes Tipo 1

Fonte: Diabetes in Control : 20 / 02/ 2016

Recente estudo mostra melhorias após anos de vida perdidos.

Diversos estudos tem sido desenvolvidos para avaliar o impacto sobre a expectativa de vida em portadores de Diabetes Tipo 1. Os estudos foram realizados para analisar retrospectivamente os efeitos do Diabetes na mortalidade.

A Diabetes foi também comparada a outros estados de doenças e as causas que tiveram uma influência sobre anos de vida perdidos (YLL).

O YLL de pacientes com Diabetes Tipo 1 e pacientes com outras doenças foram comparados com os da população geral saudável.

Esta desordem auto-imune é responsável por 10% de todos os americanos diagnosticadas com Diabetes, e é mínima a capacidade de prevenir o desenvolvimento de Diabetes Tipo 1 .

Causas têm sido associadas a genética e as infecções virais, tais como caxumba, rubéola, citomegalovírus, sarampo, gripe, encefalite, poliomielite, ou vírus Epstein-Barr.

Em um estudo realizado em australianos com Diabetes Tipo 1 entre os anos de 1997 e 2010, os investigadores analisaram o YLL estimado dos portadores de Diabetes Tipo 1 em comparação com a população geral. Os pesquisadores utilizaram o método de Chiang para estimar a expectativa de vida e o método de Arriaga para estimar o impacto de casos de mortalidade específica por idade e por causa específica.

Os resultados não mostraram nenhuma disparidade em termos de YLL de Diabetes Tipo 1 em mulheres versus homens.

Quando o YLL foi organizado em dois grupos, nos períodos entre 1997-2003 e 2004-2010.

Nos grupos do período de 2004-2010 apresentaram melhora na expectativa de vida de 1,9 anos nos homens e 1,5 anos nas mulheres.

No geral, durante o período de tempo do estudo, os pacientes com Diabetes Tipo 1 tinham uma expectativa de vida de 12,2 anos menor do que a população em geral.

A maioria da YLL foi atribuída à doenças endócrinas e metabólicas que ocorreram entre as idades de 10-39, e doenças do aparelho circulatório que ocorreram após a idade de 40 anos.

Os avanços da medicina ao longo dos anos podem ser responsáveis para a melhoria YLL observada nos grupos 2004-2010 versus os grupos 1997-2003 .

As novas diretrizes também mudaram o tratamento do Diabetes Tipo 1 em crianças .

Em um um artigo de 2007, diabetologistas pediátricos expressam a crença de que o padrão ouro de tratamento para crianças com Diabetes Tipo 1 seja a terapia intensiva com insulina onde os esquemas de terapia intensificada incluem insulina de curta duração antes das principais refeições e insulina de ação intermediária / insulina de ação prolongada de uma a três vezes ao dia para a cobertura basal de insulina.

Anteriormente, o padrão de tratamento em crianças com Diabetes incluía uma terapia de duas injeções ao dia, mas com a mudança para uma terapia intensificada apresentou impactos positivos.

Enquanto o YLL tem melhorado ao longo do tempo, a incidência de Diabetes Tipo 1 na infância tem aumentado em todo o mundo.

Diagnóstico de Diabetes no século 19 era incomum. No entanto, um maior acesso à amostras de urina resultaram em um aumento na frequência de pacientes diagnosticados com a doença. Além disso, tem havido especulações de que a perda de fatores de proteção contribuiu para o aumento da incidência de doentes que têm a doença.

No geral, uma melhor compreensão de como conviver com a doença pode ter contribuído para as melhorias ao longo dos anos.

Isto inclui uma melhor compreensão da prática da atividade física , nutrição e medicamentos envolvidos. Mesmo que os fatores que contribuem para o desenvolvimento do Diabetes Tipo 1 e Tipo 2 possam ser diferentes , há muitos paralelos entre os dois.

As abordagens experimentais como a insulina inalada e transplante de células ilhotas até agora têm sido desanimadoras e não são usadas em populações infantis.

No entanto, uma melhor compreensão dos mecanismos moleculares, dos médicos e profissionais psicossociais envolvidos com Diabetes Tipo 1 irão conduzir para a melhoria contínua do tratamento do Diabetes Tipo 1 .

Tem sido investigados métodos de como ajudar a preservar as células beta das ilhotas ,assim sendo, um melhor controle da doença é possível. A investigação tem sido focada na regeneração de células beta humanas, visando a resposta auto-imune para prevenir o Diabetes Tipo 1 e identificação do Diabetes Tipo 1 antes de perda das células beta .

Pontos Relevantes:

•Expectativa de vida para portadores de Diabetes Tipo 1 tem melhorado em de cerca de 1,5 a 1,9 anos no período de 2003 até 2010.

•A expectativa de vida para portadores de Diabetes Tipo 1 aumentou, assim como a incidência de pacientes diagnosticados.

•Os avanços na medicação, exercício físico, nutrição e e uma melhor compreensão global ajudam a controlar a doença.

The Rise of Childhood Type 1 Diabetes in the 20th Century. Diabetes. 2002;51(12):3353.

Huo L, Harding JL, Peeters A, Shaw JE, Magliano DJ. Life expectancy of type 1 diabetic patients during 1997-2010: a national Australian registry-based cohort study. Diabetologia. 2016;

oldestnewest