OA na Mão Relacionada com o Diabetes

OA na Mão Relacionada com o Diabetes

Fonte: Arthritis Care Res 2014

Autor: Magnusson K, et al

Publicado em: 08 setembro de 2014

Por Nancy Walsh, Senior Staff Writer, MedPage Today

Pesquisadores noruegueses relataram que o Diabetes foi extremamente associado com a dor na mão e sensibilidade articular em pacientes com osteoartrite na mão erosiva (OA).

Em uma análise estratificada, a dor medida na escala Australiana-Canadense (AUSCAN) de dor na mão foi associada com o Diabetes entre os pacientes que tinham uma ou mais articulações com erosões centrais detetadas por radiografia (beta = 3,81, 95% CI 2,27-5,35), de acordo para Karin Magnusson , que é uma estudante de doutorado e colaboradores no Hospital Diakonhjemmet em Oslo.

Os pesquisadores online no relataram também que houve uma forte associação entre o Diabetes e o número de articulações das mãos que estavam sensíveis à palpação, mas uma vez mais , somente em pacientes com doença erosiva (beta = 4,16, 95% CI 2,01-6,31)..

Uma série de fatores têm sido mostrados para correlacionar com a dor OA no joelho , tais como o índice elevado de massa corporal e depressão, mas pouco se sabe sobre outros fatores além das mudanças estruturais específicas que podem influenciar os fatores da dor OA na mão.

Magnusson e colegas escreveram : "Não há estudos anteriores que examinaram se o estilo de vida e fatores relacionados ao estilo de vida, da saúde mental, status socioeconômico, OA familiar e características estruturais e inflamatórias estão associadas a dor em pessoas com OA na mão, levando em conta todas as outras variáveis ​​".

Os pesquisadores enviaram questionários para os participantes perguntando sobre questões sócio-demográficas e histórico médico em um estudo de base populacional que se auto-declararam ter OA, e realizaram exames clínicos e avaliações radiográficas em 530 indivíduos.

Na análise os seguintes fatores foram incluídos : peso e altura , prática de atividade física, OA familiar, tabagismo e consumo de álcool, hipertensão e diabetes, saúde mental, bem como a presença de dor generalizada.

As análises foram ajustadas por idade e sexo, bem como para o uso de analgésicos e anti-inflamatórios, e foram estratificados de acordo com os dois fenótipos diferentes de doença erosiva e não-erosiva.

A dor na mão foi avaliada a nível do paciente, durante a atividade e no risco tanto com AUSCAN, e com a palpação.

Para a conclusão AUSCAN, os pesquisadores descobriram que os seguintes fatores estavam associados com a maior dor na análise univariada incluindo : o sexo feminino, OA familiar, má saúde mental, maior número de articulações com alterações radiológicas e sinovites, dor generalizada, menor nível de escolaridade, e baixo consumo de álcool.

Magnusson e seus colegas. registraram que este modelo explicou 35,4 % de variação no grau de dor na escala AUSCAN.

Em seguida, na análise estratificada da OA erosiva e não-erosiva, a dor generalizada e o nível de educação estavam associados a ambos os fenótipos (beta = -1,15 IC 95% -1,82 a -0,48 e beta = 2,26, 95% CI 1,6-2,95, respectivamente).

Outros fatores além do diabetes foram identificados a estarem associados com a doença erosiva e dor AUSCAN tais como o sexo feminino, OA radiográfica e gravidade da sinovites.

Fatores associados com a doença não erosiva e AUSCAN eram : má saúde mental e baixo consumo de álcool.

Para uma avaliação , os fatores associados a um maior número de articulações dolorosas incluído sexo feminino, dor generalizada, má saúde mental, maior sinovites, alterações radiológicas, e diabetes.

De acordo com os pesquisadores este modelo explicou 25,8% da variação no número de articulações dolorosas.

Na análise do número de articulações dolorosas, estratificadas de acordo com a doença de refluxo erosiva e não-erosiva, a dor generalizada foi associada a ambos.

O número de associação significativa de articulações dolorosas e diabetes entre os pacientes com doença erosiva permaneceu após ajuste para o índice de massa corporal. Sinovites também foi associada com o número de articulações dolorosas somente na doença erosiva.

Na OA não erosiva na mão , os fatores que foram associados com o número de articulações dolorosas incluíram a má saúde mental e OA familiar.

Os pesquisadores escreveram : "Uma descoberta importante deste estudo foi que explicaram as diferenças na dor OA de mãos em doença não-erosiva versus doença erosiva. A mais notável diferença foi que o diabetes foi associado a ambos ; relatos auto-referidos de dor na mão e número de articulações dolorosas em OA erosiva, enquanto que nenhuma associação [com diabetes] foi encontrada na OA não erosiva ".

Por que o diabetes estaria ligado com a dor em pacientes com OA na mão continua ainda para ser totalmente explicado.

Uma possível razão é que se o diabetes não estiver controlado ,a neuropatia pode ter estar presente. Entretanto, os pesquisadores não tinham informações sobre os níveis de hemoglobina glicada nos participantes deste estudo.

Outro fator que pode contribuir é a inflamação sistêmica associada com o diabetes que pode estar localizada nas articulações.

Os pesquisadores observaram que : "Futuros estudos longitudinais são necessários para continuar a buscar o papel do diabetes na patogenia da OA , bem como a associação com dor OA na mão erosiva ".

Eles também apontaram que a dor generalizada foi associada a ambos os fenótipos de OA, que sugerem que a sensibilização central da dor pode contribuir.

"Em conclusão, o presente estudo mostrou que, exceto por ter dor generalizada, fatores associados à dor OA na mão dependia OA fenótipo."

Uma limitação do estudo foi a sua concepção de corte transversal.

Primary source: Arthritis Care & Research Source reference: Magnusson K, et al "Diabetes is associated with increased hand pain in erosive hand osteoarthritis: data from a population-based study" Arthritis Care Res 2014;

Os autores não declararam relações financeiras.

2 Replies

oldestnewest
  • como devo faer: minha medida de glicemia altera da mão esquerda menos,para mais na direita .ex.esq 25 dir94.na mesma hora com mesmo aparelho.que fazer?

  • robertaoata67ata,

    obrigado pela pergunta. Confesso não havia ouvido algo semelhante com esta grande variação. Realizei alguns ensaios agora aqui na ANAD , e diferenças foram encontradas tipo 149 x 151, ou seja, a mesma coisa.

    Perguntas simples e obvias :

    Seu aparelho esta calibrado ? Suas fitas estão dentro do prazo de validade ? Já comentou com seu médico ?

    Se voce morar aqui em Sao Paulo, venha ate a ANAD na Rua Eça de Queiroz, 198 - Vila Mariana , procure a Enfermeira Luiza , para checar sua glicemia.

You may also like...